Esperança

by - 6.4.18

Sábado, cinco da tarde, um calor insuportável dentro do ônibus lotado. Após um longo dia de trabalho, eu havia combinado de ir passar o fim de semana na casa da minha namorada. Sai do trabalho, peguei trem, esperei o ônibus e entrei. 

Lotado, como sempre. Não consegui me afastar mais do que dois passos da catraca (ou roleta, como preferir) e ali na porta estava uma senhora com seu filho, ambos carregados de sacolas com panelas, utensílios domésticos em geral e uma bicicleta na caixa.

Não sei porque, mas essa senhora puxou assunto comigo. Começou a falar da bicicleta, que foi barata e era um presente pro filho mais novo, que havia feito 6 anos de idade. "Ele queria uma vermelha, mas não tinha. Aí eu trouxe uma verde com detalhes pretos", disse a senhora sorridente, lavada de suor por conta daquele calor no ônibus lotado. "Eu gosto de verde, meu filho disse que eu sou palmeirense, mas não é isso. Gosto de verde porque é a cor da esperança, e a gente nunca pode perder a esperança de ter algo melhor na vida". 

Quando a senhora me disse isso, eu concordei automaticamente. Uns 3 pontos depois, desci. Fiquei pensando sobre isso e ela está certa. A esperança no fim, é uma das coisas que sempre devemos manter na vida, algo que é necessário para nossa vida.

Enquanto eu escrevo este texto, ainda tenho esperança que um dia vou encontrar esta senhora e falar para ela o quanto fiquei pensativo com esta frase. Será que irei encontrar? Fica aí a esperança de um dia conseguir. 

Se você leu esse post, também pode gostar

0 Comentários

• Fique a vontade pra comentar, respondemos e retribuimos assim que pudermos
• Os comentários são moderados para que possamos dar maior atenção a cada um deles

Instagram